Stefanini flerta com o trap e o synthpop no EP de estreia ‘Onde’



2015 foi um ano de muita produção para o artista goiano Rafael Stefanini, que leva o sobrenome como título do seu projeto eletrônico. ‘Onde’ é o título do EP de estreia do cantor, lançado em novembro do ano passado, fruto de uma boa divulgação das faixas “Quiçá”, “Madrugada” e “Eu Sei”.

Produzido por Pedrowl, que ficou conhecido pelo remix de “Chasing Time” de Azealia Banks, o trabalho flerta diretamente com o trap e o synthpop futurista. Formado por quatro faixas, ‘Onde’ faz um delicioso mergulho entre temas sentimentais que permeiam o universo de Stefanini.



“Duas Faces” é o tipo de introdução marcante que ganha força ao longo da faixa. Densa e amargurada, a canção pode lembrar o trabalho mais recente de The Weeknd no álbum ‘Beauty Behind The Madness’, porém não se deixe enganar: a facilidade em compor canções biográficas é o diferencial desse projeto.

Em “Canto de Fuga”, Stefanini continua a incessante busca por libertação do amor em versos cada vez mais sentimentais. Sintetizadores cintilantes, batidas descompassadas e uma deliciosa gama de bases eletrônicas contemplam a bela produção. Logo depois vem a conhecida “Eu Sei”.

A surpresa fica por conta da canção “É Tarde”, que traz a colaboração dos versos despojados de Rico Dalasam. Aqui, o trap é o representante de uma produção dançante e poderosa.



O EP ‘Onde’ está disponível em todas as plataformas de streaming.
Tecnologia do Blogger.