Da Irlanda para o mundo: conheça o pop sombrio de Blooms



Louise Cunnane, mais conhecida como Blooms, veio das terras frias da Irlanda para Londres com o objetivo de divulgar um pop sombrio. As faixas já divulgadas produzem uma inevitável comparação entre o trabalho da cantora e BANKS. As comparações são compreensíveis, mas Blooms já traça uma rota própria.

Até o momento, a cantora irlandesa já trabalhou com produtores como Darragh Nolan (Sacred Animals), P*nut (Chloe Howl, Justin Timberlake, Eliza Doolittle), Gil Lewis e o dublinense Kobina. A faixa "Secrets", lançada nesta semana e disponível para download gratuito, possui um tom melancólico, de quem pede uma abraço a um semi-conhecido.



A parceria entre a cantora e Gil Lewis é frutífera: "Love", produzida por Lewis e P*nut, entusiasma pela frescor das batidas e do refrão ameno. Gil também trabalhou com o Blooms na faixa "Fall", que produz ao lado de Kobina. Na faixa, os sintetizadores exercem papeis certeiros, e a sua atuação é uma versão comedida dos mesmos instrumentos no trabalho da norueguesa Röyksopp.
 

'IF', primeiro EP do Blooms, tem quatro faixas inéditas: "Lust", "Skin", "If I" e "Last Time". Embora o trabalho seja um tanto brando, há uma combinação interessante nos instrumentais das canções. A canção "If I" já ganhou um vídeo, dirigido pela equipe do The Work Inc.



Estranhamente, 'IF' havia sido disponibilizado para download gratuito no Soundcloud da moça e, alguns dias depois, foi removido. Para quem está curioso, o trabalho foi disponibilizado no Spotify e no ITunes, e pode ser ouvido abaixo!



É bem verdade que o trabalho de Blooms ainda está imaturo, acanhado. A irlandesa ainda necessitará de alguns passos para fazer com que sua música introspectiva aqueça o coração do público. As possibilidades, no entanto, são inúmeras, e Blooms tem sim potencial para uma carreira brilhante na música pop. Para acompanhar o trabalho da cantora, acesse thisisblooms.com.
Tecnologia do Blogger.